Associação Nacional de Defesa dos Agricultores, Pecuaristas e Produtores da Terra

O susto da operação Carne Fraca realmente já passou?

O susto da operação Carne Fraca realmente já passou?

Por Antonio Pinho 

O Jornal Gazeta do Povo informa que o susto gerado pela Operação Carne Fraca finalmente passou. Há 5 meses a credibilidade do setor brasileiro de carnes caiu em total descrédito junto a opinião pública tanto nacional quanto internacional. Centenas de empregados de frigoríficos chegaram a ser demitidos em virtude do impacto negativo que a Operação teve sobre esta atividade econômica.

Confira aqui o que diz a Gazeta do Povo:

O que começou há exatos cinco meses como um escândalo de possíveis efeitos catastróficos para o setor brasileiro de carnes, hoje é visto como um “susto” que deixou lições importantes e algunscarne fraca problemas a serem resolvidos, mas já passou. Esse, pelo menos, é o balanço parcial que analistas ouvidos pelo Núcleo de Agronegócio da Gazeta do Povo fazem do impacto da Operação Carne Fraca sobre os mercados internos e de exportação.

Números atualizados do Ministério da Agricultura mostram que apenas sete países, de pouca expressão política e comercial, ainda mantêm embargo total à carne fresca do Brasil: Benim, Moçambique, Congo, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, Trinidad e Tobago e Argélia. “Esses países representam apenas 0,4% dos volumes exportados. O efeito inicial de bloqueio à carne brasileira praticamente desapareceu”, observa Paulo Rossi, coordenador do Laboratório de Pesquisas em Bovinocultura da Universidade Federal do Paraná. “A recuperação foi muito mais rápida do que a gente imaginava. Já projetamos um crescimento nas exportações de 1,5% em relação ao ano passado, o que era inimaginável em abril ou maio”, confirma Lygia Pimentel, analista de commodities da Agrifatto, de São Paulo. O risco ainda não afastado, diz Lygia, é o de surgimento de alguma nova revelação bombástica decorrente da delação de Joesley Batista.

Segundo o Ministério da Agricultura, dos países que inicialmente fecharam o mercado à carne brasileira, 21 levantaram o embargo totalmente. Outros 43 reabriram mas ainda não oficializaram a decisão, mantendo suspensão parcial e/ou reforço nas inspeções (neste grupo estão clientes importantes como Rússia, União Europeia e Japão).

Nas últimas semanas, a Expedição Avicultura da Gazeta do Povo acompanhou in loco como a “Carne Fraca” afetou os negócios de agroindústrias e cooperativas do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo. O consenso foi de que a operação teve um efeito muito negativo na imagem do produto brasileiro, mas não gerou prejuízos financeiros duradouros. Nas primeiras semanas, a Cooperativa Lar, de Medianeira, do Oeste do Paraná, por exemplo, ficou com 227 contêineres (que carregam mais de 6 mil toneladas de frango) em alto mar até que a situação fosse resolvida.

Reação rápida

Outras empresas também tiveram problemas parecidos, basicamente envolvendo questões de logística e estocagem. Nada que acarretasse perdas milionárias. O setor produtivo reconhece que o governo brasileiro agiu de forma eficiente e rápida. “Os próprios clientes nos procuraram para saber o que estava acontecendo. Nós, aliás, achamos que saímos fortalecidos deste processo”, diz Mário Lanznaster, presidente da Aurora Alimentos, 4ª maior empresa de carnes do país.

Apesar de muitos dirigentes de agroindústrias elogiarem a atuação do ministro Blairo Maggi ao lidar com a crise, restam algumas críticas, principalmente à atuação do Serviço de Inspeção Federal (SIF), que tornou os processos mais rígidos, interrompendo as linhas de produção com mais frequência. O número de inspeções também aumentou. Antes da Carne Fraca, uma planta recebia, em média, duas inspeções estrangeiras por mês. Agora são cinco, com as despesas custeadas pelas empresas.

Ainda que os bloqueios comerciais mais importantes tenham sido contornados, o episódio deixou um prejuízo intangível à imagem da carne brasileira, que pode levar anos para ser superado. Em determinada altura, no mês de março, o próprio juiz que autorizou a operação tentou atenuar o estrago, explicando que o foco não era a qualidade dos alimentos produzidos no Brasil, mas a apuração de crimes contra a administração pública, como corrupção e extorsão.

João Prestes, exportador da Progress Brazil, diz que a operação, “com todo aquele estardalhaço, na verdade ajudou nossos concorrentes”. “A repercussão é residual, contínua, e vai demorar ainda muito tempo para passar. Quando argumentarmos que nossa carne tem qualidade, vão dizer: e a Operação Carne Fraca? O Brasil não é totalmente confiável”, afirma Prestes, que participará como debatedor em mesa redonda do 5 º Fórum da Agricultura da América do Sul , promovido pelo Núcleo de Agronegócio da Gazeta do Povo, dias 24 e 25 de agosto no Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba.

Sem negar a importância estratégica e econômica das exportações, Paulo Rossi diz que a recuperação do setor de carnes depende hoje muito mais do poder de compra do consumidor brasileiro. “O mercado interno responde por quase 80% do consumo. A economia precisa rodar, para o povo ter dinheiro e comprar mais carne. É nisso que estamos travados”, aponta o especialista.

Comentários:

Lendo esse tipo de coisa me pergunto se o susto realmente passou. O impacto do momento de fato passou, afinal já foram 5 meses. A piada do churrasco de papelão perdeu a graça. Mesmo tendo a poeira abaixado, o estrago feito à imagem da carne brasileira é um fato consumado. Não temos mais, infelizmente, o mesmo respeito, que havia antes, à carna produzida no Brasil. Criou-se o mito de que se mistura papelão aos alimentos como prática corriqueira, e de que se vende carne podre propositalmente. Tudo isso não passa de um mito, pois as irregularidades eram muito pontuais, e foram devidamente identificadas e as empresas punidas. As medidas corretivas foram tomadas. Contudo, o estrago está aí. O susto pode ter passado, mas as consequências ficaram. O prejuízo pode aparentemente não ser bilionário, a princípio, mas a destruição da imagem de todo um setor da economia não tem preço.

Outra herança negativa da Operação Carne Fraca é o aprofundamento da intervenção de certos burocratas do governo sobre a iniciativa privada. Não há como negar. A Polícia Federal foi extremamente irresponsável, e montou um verdadeiro espetáculo midiático para anunciar os resultados da Operação. A PF poderia ter sido mais discreta e prudente, porque muitos empregos estavam em jogo. Havia crimes, é claro, mas estes deveriam ter sido apurados sem shows à mídia. Já há tantos impostos e regulamentações, e ainda assim – após ter cumprido todas as imensas obrigações com o governo – o empresário pode ter seu negócio destruído por causa da ação de burocratas irresponsáveis.

O pior disso tudo, talvez, seja o fato de mais uma vez o Estado se colocar num posição intocável, acima de tudo e de todos; um Estado com pretensões de onipotência sobre a sociedade e a economia. A Operação Carne Fraca foi mais um sintoma desse estado de coisas em que há um completo desrespeito à liberdade econômica e à propriedade privada.

Produtor rural, associe-se à Andaterra – Associação Nacional de Defesa dos Agricultores, Pecuaristas e Produtores da Terra

Andaterra - Associação Nacional de Defesa dos Agricultores, Pecuaristas e Produtores da Terra