Associação Nacional de Defesa dos Agricultores, Pecuaristas e Produtores da Terra

Trabalho escravo infantil na China prejudica a indústria e o agro brasileiro

Trabalho escravo infantil na China prejudica a indústria e o agro brasileiro

Antonio Pinho

Uma imagem tem causado a comoção de dezenas de milhões de pessoas. Trata-se de um vídeo de uma criança chinesa muito pequena cortando alho num ambiente completamente insalubre.

Confira o vídeo:

São inúmeras as denúncias de grandes empresas que empregam a mão de obra infantil na China. É o caso da empresa Foxconn, maior fabricante de eletrônicos responsável pela produção do iPhone e iPad. Esta empresa foi acusada de empregar crianças na fabricação de seus produtos.

Imaginemos o tamanho do impacto do trabalho infantil no país mais populoso do mundo. Neste instante milhões de crianças chinesas estão produzindo em condições precárias os produtos que depois são vendidos ao resto do mundo a preços baixos. A China só consegue invadir o mercado internacional com produtos baratos por causa do comunismo e da centralização política que este regime fomenta. Os trabalhadores chineses são impedidos de se organizar em entidades independentes do governo. Com isso, na prática, o trabalhador chinês é escravo do governo, trabalhando a baixíssimos salários nas fábricas que produzem as mercadorias que destruíram as indústrias ocidentais.

Na China o governo sempre é acionista destas fábricas. Assim, o comunismo e os gigantes do capitalismo ocidental se unem para escravizar milhões de crianças. Nessas condições fica impossível uma saudável competição com as indústrias ocidentais, onde o trabalhador tem garantias legais e liberdade.

O crescimento chinês é um engano, pois ele é baseado na opressão e escravidão de centenas de milhões. Infelizmente, a China virou a grande fábrica escravagista do mundo. Com isso muitas fábricas ocidentais foram à falência, como o caso a indústria brasileira de calçados. Com o mercado inundado com calçados chineses, muitas fabricas brasileiras faliram. No campo, há produtores brasileiros denunciando que não conseguem vender sua produção de alho em virtude da baixa dos preços. Qual o motivo disso? O alho chinês, produzido por crianças escravas e prisioneiros, invadiu o Brasil e fez os preços despencarem, chegando num patamar abaixo do custo nacional de produção. Com isso milhares de famílias brasileiras de produtores de alho sofreram danos milionários.

A escravidão infantil na China não é um problema distante. Ela afeta diretamente a indústria  e os produtores rurais brasileiros, muitos dos quais estão falindo com essa competição desleal e desumana. Escravizando seu povo, a China invade e depreda os mercados das nações livres.

Produtor rural, associe-se à Andaterra – Associação Nacional de Defesa dos Agricultores, Pecuaristas e Produtores da Terra