Associação Nacional de Defesa dos Agricultores, Pecuaristas e Produtores da Terra

Andaterra pede a Bolsonaro fim do passivo do Funrural

Andaterra pede a Bolsonaro fim do passivo do Funrural

Fim do passivo do Funrural (Fundo de Assistência ao Trabalhador), securitização das dívidas dos setores agrícolas em crise, segurança no campo e redução da carga tributária. Estas foram as principais reivindicações apresentadas ao candidato a presidente pelo PSL, Jair Bolsonaro, pela Andaterra (Associação Nacional de Defesa dos Agricultores, Pecuaristas e Produtores da Terra), durante encontro nesta quarta-feira (24), no Rio de Janeiro.

Pitt e Bolsonaro

Sérgio Pitt, presidente da Andaterra, e Jair Bolsonaro

O documento com as reivindicações foi entregue a Bolsonaro pelo presidente da Andaterra, Sérgio Pitt. Ele lembrou que representava no encontro os agricultores do oeste da Bahia, um dos grandes polos agrícolas do país, especialmente de algodão e soja.

Além de mostrar os gargalos do setor, os produtores rurais se comprometeram a ajudar nas políticas públicas do agro, inclusive na indicação do próximo ministro da Agricultura. Isso, segundo a Andaterra, foi bem aceito pelo presidenciável, que assumiu o compromisso de ouvi-los antes de qualquer escolha.

O cotonicultor baiano Walter Horita um dos mais conceituados produtores rurais do Brasil, que já presidiu a Fundação Bahia, a Associação Baiana de produtores de Algodão (Abapa) e a Aiba ( Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia) e hoje é associado à Andaterra, ressaltou a importância do setor, responsável pela geração de quase  20 milhões de empregos e um terço do PIB nacional.

Além de Horida, participaram do encontro o associado José Alípio da Silveira e o diretor jurídico da Andaterra, Jeferson da Rocha, de Santa Catarina. O documento entregue ao presidenciável é assinado por 37 representantes da agropecuária brasileira.

Fonte: Agro em Dia