Associação Nacional de Defesa dos Agricultores, Pecuaristas e Produtores da Terra

Produtores anunciam mobilização pelo fim do passivo do Funrural e securitização das dívidas

Produtores anunciam mobilização pelo fim do passivo do Funrural e securitização das dívidas

Por AGROemDIA

Fim do passivo do Funrural, securitização das dívidas rurais, segurança no campo e renda para o produtor. Estas são as pautas prioritárias do Movimento Brasil Verde e Amarelo para 2020. Os quatro temas foram aprovados durante reunião, nesta segunda-feira 20, em Florianópolis, convocada pela Andaterra (Associação Nacional de Defesa dos Agricultores, Pecuaristas e Produtores da Terra).

“Foi importante definirmos uma estratégia de ação para o Movimento Brasil Verde e Amarelo já no início do ano, o que permitirá envolver ainda mais a base produtora nessas questões”, disse ao AGROemDIA o presidente da Andaterra, Sérgio Pitt. “Isso não só favorecerá nossa organização, mas também contribuirá para termos mais eficiência nas nossas demandas.”

Movimento brasil verde e amarelo reunião

O diretor jurídico da Andaterra, Jeferson da Rocha, acrescentou que a pauta do Movimento Brasil Verde e Amarelo retoma as lutas de 2018, focando mais em questões específicas do setor rural. “Em 2019, concentramos nossos esforços no apoio à aprovação da Reforma da Previdência e do pacote anticrime. Neste ano de 2020, voltamos a uma temática mais setorial.”

Além de reforçar a mobilização pela extinção do passivo do Funrural, promessa de campanha do presidente Jair Bolsonaro cuja negociação já avançou bastante com o ministro da Economia, Paulo Guedes, o Movimento Brasil Verde e Amarelo pretende intensificar as gestões com o Congresso Nacional para aprovação da proposta de securitização das dívidas agrícolas.

LEIA MAIS: Movimento Brasil Verde e Amarelo planeja pautas e ações para 2020

Movimento Brasil Verde e Amarelo: pautas para 2020 – Jeferson Rocha

“Já temos um projeto de lei, de autoria do deputado Jerônimo Goergen [Progressistas-RS], que prevê a securitização. Então, vamos mobilizar as bases para cobrar dos deputados e senadores dos seus estados a aprovação da proposta”, enfatizou Jeferson da Rocha. Segundo ele, o endividamento rural, que já era extremamente preocupante, agravou-se ainda mais com a seca na Região Sul e em parte Nordeste, especialmente no oeste baiano.”

Recuperação da renda do produtor

Jeferson da Rocha assinalou ainda que é necessário equacionar a questão da recuperação da renda do produtor. “Precisamos atualizar nossa política agrícola, especialmente em relação aos preços mínimos, e eliminar de vez as assimetrias do Mercosul, a fim de tenhamos as mesmas condições tributárias dos nossos colegas argentinos e uruguaios para sermos mais competitivos.”

Outro ponto que o diretor jurídico da Andaterra considera fundamental é resolver o problema da segurança no campo. “O produtor rural não pode continuar exposto a invasões nem a disputas com indígenas e quilombolas. O governo tem que buscar formas legais de livrar os agricultores e pecuaristas da insegurança jurídica e levar segurança ao campo.”

De acordo com ele, as lideranças do Movimento Brasil Verde e Amarelo também decidiram promover um movimento em Brasília, entre 12 e 16 de maio, coincidindo com a realização da AgroBrasília – Feira Internacional dos Cerrados. A ideia, adiantou Jeferson da Rocha, é aproveitar a presença de produtores da feira para reforçar a mobilização do Movimento Brasil Verde e Amarelo.

“É claro que essas pautas poderão ter acréscimos, porque a realidade é dinâmica, mas, a princípio, estes serão os temas centrais sobre os quais o Movimento Brasil Verde e Amarelo vai concentrar seus esforços”, pontou Jeferson da Rocha.

No encontro, ficou acertado que a Andaterra lançará, este ano, uma campanha nacional de filiação, a fim de ampliar a participação da base produtora na entidade.